segunda-feira, 23 de agosto de 2010

Amar o Próximo

“Amai-vos sempre uns aos outros, como irmãos; prestai-vos mútuo auxílio, e que o amor do próximo não vos seja uma palavra vazia de sentido.” [1]

Devemos compreender a necessidade de amar o próximo como a nós mesmos como fazer aos outros aquilo que queríamos que os outros nos fizessem, conforme nos orienta Jesus. O amor em ação pelo Bem do próximo, em suas diversas facetas como o respeito, a tolerância, a cordialidade etc., consiste na caridade. Diversas passagens da Codificação Espírita detalham este mandamento, como, por exemplo, o capítulo XI da obra “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, intitulado “Amar o Próximo como a Si Mesmo”.

No item 4 do capítulo supracitado, encontramos as seguintes orientações de Allan Kardec a respeito do tema:

“‘Amar o próximo como a si mesmo: fazer pelos outros o que quereríamos que os outros fizessem por nós’, é a expressão mais completa da caridade, porque resume todos os deveres do homem para com o próximo. Não podemos encontrar guia mais seguro, a tal respeito, que tomar para padrão, do que devemos fazer aos outros, aquilo que para nós desejamos. Com que direito exigiríamos dos nossos semelhantes melhor proceder, mais indulgência, mais benevolência e devotamento para conosco, do que os temos para com eles? A prática dessas máximas tende à destruição do egoísmo. Quando as adotarem para regra de conduta e para base de suas instituições, os homens compreenderão a verdadeira fraternidade e farão que entre eles reinem a paz e a justiça. Não mais haverá ódios, nem dissensões, mas, tão-somente, união, concórdia e benevolência mútua.” [2]

A ideia de amar o próximo é, como se vê, essencialmente prática, e traz diretamente o Bem a nós próprios. O Espírito Sanson, o qual integrava a Sociedade Espírita de Paris quando encarnado, enviou, do Plano Espiritual, a seguinte orientação, reforçando o sentido prático de amar o próximo:

“Amar, no sentido profundo do termo, é o homem ser leal, probo, consciencioso, para fazer aos outros o que queira que estes lhe façam; é procurar em torno de si o sentido íntimo de todas as dores que acabrunham seus irmãos, para suavizá-las; é considerar como sua a grande família humana, porque essa família todos a encontrareis, dentro de certo período, em mundos mais adiantados; e os Espíritos que a compõem são, como vós, filhos de Deus, destinados a se elevarem ao infinito. Assim, não podeis recusar aos vossos irmãos o que Deus liberalmente vos outorgou, porquanto, de vosso lado, muito vos alegraria que vossos irmãos vos dessem aquilo de que necessitais. Para todos os sofrimentos, tende, pois, sempre uma palavra de esperança e de conforto, a fim de que sejais inteiramente amor e justiça.” [3]

O Codificador da Doutrina Espírita reforça a orientação acima, ilustrando que amar o próximo é tratar a todos de forma igualitária, tal como desejamos não ser discriminados, ressaltando que essa forma equilibrada de tratamento acabará com graves problemas sociais, como o da fome.

“Ora, amar o próximo como a si mesmo é não fazer nenhuma diferença entre si mesmo e o próximo; é a consagração do princípio: Todos os homens são irmãos, porque são filhos de Deus.” [4]

“A Terra produzirá o suficiente para alimentar a todos os seus habitantes, quando os homens souberem administrar, segundo as leis de justiça, de caridade e de amor ao próximo, os bens que ela dá.” [5]

Paulo de Tarso, em sua primeira carta aos Coríntios, capítulo 13, informa que a caridade é maior até mesmo do que a fé. Kardec, em “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, capítulo XV item 07, comenta essa passagem, argumentando que a caridade está ao alcance de todos, independente de renda, cultura e mesmo credo religioso. O Espiritismo, coerente com seus princípios de liberdade de consciência, sempre ressalta que fora da caridade não há salvação. Como ressaltado por Kardec, o Espiritismo “não diz: Fora do Espiritismo não há salvação, mas, com o Cristo: Fora da caridade não há salvação, princípio de união, de tolerância, que congraçará os homens num sentimento comum de fraternidade, em vez de os dividir em seitas inimigas.” [6]


Encontramos orientações sobre amar o próximo desde o Velho Testamento:

“Amarás, pois, a Jeová teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todas as tuas forças.” (Deuteronômio 06:05)

“Não te vingarás nem guardarás ira contra os filhos do teu povo, mas amarás o teu próximo como a ti mesmo: eu sou Jeová.” (Levítico 19:18)

“Vendo o jumento de teu irmão, ou o seu boi, caídos no caminho, não passarás por eles indiferente; sem falta o ajudarás a levantá-los.” (Deuteronômio 22:04)

“Se encontrares o boi do teu inimigo, ou o seu jumento desgarrado, sem falta lho reconduzirás. Se vires caído debaixo da sua carga o jumento daquele que te aborrece, não o deixarás, certamente com o dono o aliviarás.” (Êxodo 23:04-05)

Jesus, demonstrando não ter vindo destruir a Lei, mas dar-lhe cumprimento (Mateus 05:17), indica serem as essenciais as duas primeiras passagens acima citadas — amar a Deus e o próximo:

“Mestre, qual é o grande mandamento da Lei?
Respondeu-lhe Jesus: Amarás ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, de toda a tua alma e de todo o teu entendimento.
Este é o grande e primeiro mandamento.
O segundo semelhante a este é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo.
Destes dois mandamentos dependem toda a Lei e os profetas.” (Mateus 22:36-40)

Allan Kardec obteve orientações acerca dessa passagem pelos Espíritos da falange do Consolador prometido:

A lei de Deus se acha contida toda no preceito do amor ao próximo, ensinado por Jesus?
‘Certamente. Esse preceito encerra todos os deveres dos homens uns para com os outros. Cumpre, porém, se lhes mostre a aplicação que comporta, do contrário deixarão de cumpri-lo, como o fazem presentemente. Demais, a lei natural abrange todas as circunstâncias da vida e esse preceito compreende só uma parte da lei. Aos homens são necessárias regras precisas; os preceitos gerais e muito vagos deixam grande número de portas abertas à interpretação.’” [7]

Qual o verdadeiro sentido da palavra caridade, como a entendia Jesus?
‘Benevolência para com todos, indulgência para as imperfeições dos outros, perdão das ofensas.’
O amor e a caridade são o complemento da lei de justiça, pois amar o próximo é fazer-lhe todo o bem que nos seja possível e que desejáramos nos fosse feito. Tal o sentido destas palavras de Jesus: Amai-vos uns aos outros como irmãos.
A caridade, segundo Jesus, não se restringe à esmola, abrange todas as relações em que nos achamos com os nossos semelhantes, sejam eles nossos inferiores, nossos iguais, ou nossos superiores. Ela nos prescreve a indulgência, porque de indulgência precisamos nós mesmos, e nos proíbe que humilhemos os desafortunados, contrariamente ao que se costuma fazer. (...) O homem verdadeiramente bom procura elevar, aos seus próprios olhos, aquele que lhe é inferior, diminuindo a distância que os separa.” [8]

Na parábola do bom samaritano (Lucas 10:25-37), encontramos preciosas lições sobre o amor ao próximo. Um doutor da lei pergunta a Jesus: “quem é o meu próximo?” (Lucas 10:29), ao que o Mestre assim responde:

“Prosseguindo Jesus, disse: Um homem descia de Jerusalém a Jericó, e caiu nas mãos de salteadores que, depois de o despirem e espancarem, se retiraram, deixando-o meio morto. Por uma coincidência descia por aquele caminho um sacerdote; quando o viu, passou de largo. Do mesmo modo também um levita, chegando ao lugar e vendo-o, passou de largo. Um samaritano, porém, que ia de viagem, aproximou-se do homem e, vendo-o, teve compaixão dele. Chegando-se, atou-lhe as feridas, deitando nelas azeite e vinho e, pondo-o sobre o seu animal, levou-o para uma hospedaria e tratou-o. No dia seguinte tirou dois denários, deu-os ao hospedeiro e disse: Trata-o e quanto gastares de mais, na volta eu to pagarei. Qual destes três te parece ter sido o próximo daquele que caiu nas mãos dos salteadores? Respondeu o doutor da lei: Aquele que usou de misericórdia para com ele. Disse-lhe Jesus: Vai-te, e faze tu o mesmo.” (Lucas 10:30-37)

Na passagem acima, Jesus aponta que dois religiosos judeus evitaram auxiliar à pessoa em necessidade, porém um samaritano se dispôs a fazê-lo. Em “O Evangelho Segundo o Espiritismo”, em sua Introdução, item III — “Notícias Históricas”, Kardec traz um breve histórico da animosidade existente entre judeus e samaritanos. Visando a ilustrar a necessidade de se fazer o bem, independente de credo religioso, Jesus utilizou a figura de um oponente ideológico dos judeus nessa parábola. Nosso próximo é, portanto, todo aquele em que esteja a nosso alcance auxiliar, e devemos fazê-lo sempre de forma incondicional. Nossa consciência não cobrará prodígios que beirem ao impossível, mas apenas fazer todo o Bem que podíamos. Assim comenta Kardec a respeito da referida passagem evangélica:

“(...) Jesus coloca o samaritano, considerado herético, mas que pratica o amor do próximo, acima do ortodoxo que falta com a caridade. Não considera, portanto, a caridade apenas como uma das condições para a salvação, mas como a condição única.” [9]

Notemos, também, que Jesus analisa o comportamento dos sacerdotes judeus e também o do samaritano, porém não tece quaisquer comentários sobre a pessoa ferida e que precisava de ajuda. Ela necessitava de auxílio, independente do porquê de assim se encontrar. Verifica-se, aqui também, a lição do auxílio incondicional.

Necessitamos estar conectados ao mundo à nossa volta, vigilantes, a fim de percebermos as tantas oportunidades de auxiliar os outros, as quais surgem todos os dias. A utilização do samaritano na parábola também tem relação com o próprio significado da palavra, segundo apontamentos de Carlos Torres Pastorino: “Samaria, em hebraico (shomron) significa ‘vigilância’” [10]; e foi justamente uma alma vigilante, atenta às oportunidades de fazer o Bem, que cuidou de quem precisava de auxílio. Pastorino comenta, ainda:

“Só mesmo alguém que já tenha sido despertado para a vida maior do Espírito (samaritano – vigilante) é capaz de trazer-lhe efetivo e eficiente socorro, derramando em suas chagas o óleo (bálsamo do conforto e consolação) e o vinho (interpretação e explicações espirituais), e levá-lo, depois, aonde possa ele libertar-se, pela meditação ao lado de um mestre (hospedeiro), dos danosos efeitos e das consequências dos vícios, e poder assim recomeçar, fortalecido, sua evolução, após haver aprendido, em dolorosas experiências, a evitar os perigosos caminhos do mundo, infestados de gozos e paixões traiçoeiras (ladrões e salteadores) procurando manter-se equilibrado no plano espiritual. Atravessará, assim, indene as vicissitudes terrenas e chegará a salvo ao fim da jornada.” [11]

Concluímos nosso breve estudo acerca de tão importante tema, apresentando trecho de discurso de Allan Kardec, incitando-nos à caridade benevolente.

“O campo da caridade é muito vasto; compreende duas grandes divisões que, em falta de termos especiais, podem designar-se pelas expressões caridade beneficente e caridade benevolente. Compreende-se facilmente a primeira, que é naturalmente proporcional aos recursos materiais de que se dispõe; mas a segunda está ao alcance de todos, do mais pobre como do mais rico. Se a beneficência é forçosamente limitada, nada além da vontade poderia estabelecer limites à benevolência. O que é preciso, então, para praticar a caridade benevolente? Amar o próximo como a si mesmo. Ora, se se amar o próximo tanto quanto a si, amar-se-o-á muito; agir-se-á para com outrem como se quereria que os outros agissem para conosco; não se quererá nem se fará mal a ninguém, porque não quereríamos que no-lo fizessem.
Amar o próximo é, pois, abjurar todo sentimento de ódio, de animosidade, de rancor, de inveja, de ciúme, de vingança, numa palavra, todo desejo e todo pensamento de prejudicar; é perdoar aos inimigos e retribuir o mal com o bem; é ser indulgente para as imperfeições de seus semelhantes e não procurar o argueiro no olho do vizinho, quando não se vê a trave no seu; é esconder ou desculpar as faltas alheias, em vez de se comprazer em as pôr em relevo, por espírito de maledicência; é ainda não se fazer valer à custa dos outros; não procurar esmagar ninguém sob o peso de sua superioridade; não desprezar ninguém pelo orgulho.” [12]


Leia também, neste blog, as postagens “Família Espiritual”, “Vigiai e Orai”, “Tranquilidade no Retorno à Pátria Espiritual”, “Amar os inimigos”, “Os opositores da Doutrina Espírita”, “O Bem e o Mal” e “Egos virtuosos e Eus sapientes”.


Bons estudos!
Carla e Hendrio


Referências:
[1] KARDEC, Allan. “Revista Espírita de maio de 1860”. Tradução de Evandro Noleto Bezerra. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 2004. “Ditados Espontâneos: ‘Remorso e Arrependimento’”.
[2] KARDEC, Allan. “O Evangelho Segundo o Espiritismo”. 97ª ed. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 1987. Capítulo XI, item 4.
[3] Ibidem, item 10.
[4] KARDEC, Allan. “Revista Espírita de março de 1864”. Tradução de Evandro Noleto Bezerra. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 2004. “A Jovem Obsedada de Marmande (Continuação)”.
[5] KARDEC, Allan. “O Evangelho Segundo o Espiritismo”. 97ª ed. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 1987. Capítulo XXV, item 8.
[6] KARDEC, Allan. “Revista Espírita de outubro de 1866”. Tradução de Evandro Noleto Bezerra. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 2004. “Os Tempos são Chegados”.
[7] KARDEC, Allan. “O Livro dos Espíritos”. 66ª ed. Rio de Janeiro: RJ, FEB: 1987. Questão 647.
[8] Ibidem, questão 886.
[9] KARDEC, Allan. “O Evangelho Segundo o Espiritismo”. 97ª ed. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 1987. Capítulo XV, item 3.
[10] PASTORINO, Carlos Torres. “Sabedoria do Evangelho”. Rio de Janeiro, RJ: Sabedoria, 1964. Volume 2, capítulo “A Samaritana”.
[11] Ibidem, volume 5, capítulo “O Samaritano”.
[12] KARDEC, Allan. “Revista Espírita de dezembro de 1868”. Tradução de Evandro Noleto Bezerra. Rio de Janeiro, RJ: FEB, 2004. “Sessão Anual Comemorativa do Dia dos Mortos (Sociedade de Paris, 1º de novembro de 1868); Discurso de Abertura pelo Sr. Allan Kardec: O Espiritismo é uma religião?”


Um comentário:

Olá! Divida conosco seus estudos e opiniões!